top of page

O Potencial Espontâneo aplicado ao mapeamento de fluxos subterrâneos

O método geofísico do Potencial Espontâneo, mais comumente tratado como “SP” no meio técnico, trata-se de um método elétrico que apresenta ampla aplicação em empreendimentos das áreas de mineração, geologia de engenharia e ambiental.


Associado a outros métodos geofísicos, tais como Caminhamento Elétrico (Eletrorresistividade), GPR, Magnetometria e etc, o mesmo pode fornecer informações bastante eficazes na solução de problemas tais como a localização de um depósito mineral, delimitação de fluxos geotermais, identificação de processos de carstificação e mapeamento de fluxos subterrâneos, entre outros.


Nesse texto, abordaremos a sua aplicação no mapeamento de fluxos subsuperficiais e veremos a importância deste tipo de estudo para, por exemplo, a estabilidade de barragens.


Esse método baseia-se na medição do campo elétrico natural existente na Terra utilizando-se de um par de eletrodos não polarizáveis, geralmente contendo uma solução de sulfato de cobre, uma lâmina de cobre metálico localizado em um recipiente com a base porosa e um milivoltímetro com alta impedância.


A origem do campo elétrico natural tem várias fontes, cada uma delas depende do objeto de estudo. Resumidamente, o Potencial Espontâneo pode estar relacionado a processos eletroquímicos e eletrônicos associadas a corpos minerais condutores; a processos de difusão de íons devido a diferentes concentrações iônicas; assim como fluxos por meio de vazios existentes nas rochas ou solos.


Essencialmente, a existência de um fluxo subsuperficial caracteriza-se pelo acúmulo de íons negativos na entrada e de positivos na saída. A partir desse princípio, já é possível fazer uma série de interpretações em locais onde foram realizadas medições de SP. Em geral, os dados são apresentados na forma de mapas de superfícies equipotenciais, o que por si só já permite a realização de interpretações qualitativas.


Após a interpolação dos dados em softwares especializados, obtém-se um mapa com as isolinhas representando valores de potencial elétrico, que podem ser positivos ou negativos.



Figura A: As setas em branco indicam possíveis fluxos inferidos a partir das anomalias SP. Figura B: A área destacada por pontos indica uma região de alagamento. Fonte: Neogeo Geotecnologia LTDA.


Como dito anteriormente, o início do fluxo é marcado por uma negativa e o fim, por uma positiva. Assim sendo, a presença de um dipolo elétrico em um mapa indica um fluxo facilmente visualizável. Nesse sentido, o método do SP pode ser utilizado para a avaliação de riscos geotécnicos, principalmente quando superfícies freáticas se elevam de forma a atingir a face de um talude de terra.


Utiliza-se também o Potencial Espontâneo aplicado à delimitação de fluxos subterrâneos no caso em que se pretende visualizar a propagação de contaminantes em subsuperfície. Dessa forma, torna-se possível pensar em alternativas para o gerenciamento e controle ambiental.


Gostaria de saber mais sobre o potencial espontâneo, outros métodos geofísicos e suas aplicações? Entre em contato conosco, a Neogeo Geotecnologia LTDA. pode auxiliar na resolução dos seus desafios! Conheça nossas soluções!


Fonte:


GALLAS, José Domingos Faraco. O método do potencial espontâneo (SP): uma revisão sobre suas causas, seu uso histórico e suas aplicações atuais. Revista Brasileira de Geofísica, v. 23, n. 2, p. 133-144, 2005.

Posts recentes

Ver tudo

Estudos Geofísicos Aplicados à Barragem de Terra

As atividades minerárias geram uma grande quantidade de resíduos sólidos, dos quais os mais importantes em termos de volume são os gerados pela atividade de extração do minério (estéreis) e pelas usin

Comments


bottom of page